Londres na primavera!

Mil e um motivos para conhecer Londres especialmente nesta época do ano!

Depois de planejar por alguns meses, realizei o antigo sonho de conhecer Londres! Sim, viajar sem agência envolve sim muito planejamento, horas de estudo e capacidade de lidar com imprevistos. Mas aliás, o que é a vida, senão isso?

post_londres
Londres na primavera!

Ai vem as perguntas: Quando ir? O que levar? e etc.
Vamos por parte colocar abaixo a nossa modesta ( minha!) opinião.

Quando ir? Qualquer época do ano, of course! Mas, nós sempre escolhemos o período: Abril / Maio… Dentre outros motivos porque é início de primavera no continente europeu e, ainda que haja frio, é totalmente suportável,o que significa ser possível levar uma mochila e uma malinha pequena, luxo que não poderíamos nos dar se tivéssemos que levar pesadas rouas de inverno. Outro motivo é que as Cidades não estão abarrotadas porque estamos fora do período de férias regulares em escolas e por fim, fugimos do verão, que cá para nós, tem muita graça em região com praias tropicais, mas não na Europa né?

O que levar? Coisas que ocupem no máximo uma mochila e uma mala e uma bolsa de mão. E só! Basicamente temos de definir se vamos a um ensaio fotográfico ou casamento ou se estamos partindo para conhecer outra cultura, isso determina a nossa bagagem, por exemplo

Londres
Londres

Na prática: pessoal, roupa na Europa é muito barato! .. Então por que entupir a mala de roupa, carregar peso e volume,se você pode simplesmente entrar em uma Printemps por exemplo e comprar uma camisa nova quando as suas finalmente não tiverem mais condição de uso? um exemplo prático: uma camiseta de malha se compra por 15, 20 reais. Então por que levar malas cheias? Você vai a um desfile de modas ou vai sair opara conhecer o mundo, para aprender e ver como se vive em outras terras distantes da sua? Leve quase nada! 1 par de tênis confortável, se for bonito, ótimo,senão opte pelo Conforto. Se seu pé cansar? entre numa loja de esportes e compre uma sandália de trecking ou um outro tênis de forma diferente, mas nao leve em sua mala mais que um calcado.. essa é a minha dai para 15 ou 20 dias apenas! Roupas? 1 casaco, opte por impermeável, meias, pode comprar barato pelo caminho, então leve meias suficientes para uma semana e roupa íntima você poderá sempre lavar nos hotéis. E seca! Calça? uma confortável e no máximo duas jeans. Camisas suficientes para uma semana, depois você repete e por fim, repete de novo! Apenas não repita ou repita pouco os echarpes e os sorrisos! rsrsrs

Preliminares expressas, rs, vamos lá!

National Gallery
National Gallery

Londres na primavera e linda!!! Chegamos pela Estação Saint Pancras, pelo Eurotúnel ( que é na verdade sem graça a bessa… me frustrou um pouco…você está viajando ansiosa pelo Eurotúnel e de repente, plóft! Fica tudo escuro, por 5 min, 10 min, meia hora e… pronto. Acabou o esperado trajeto pelo Eurotúnel. Como assim? Mas é assim… frustrante para minha infantil cabecinha que sonhava com um grande tunel,de preferência com longos trechos translúcido com teto de vidro, com peixinhos e peixões multicoloridos e toda vicejante flora e fauna marinha do Canal da Mancha do lado de fora e etc… só que não! : (
Aí, pois bem, chegamos enfim na Saint. Pancras! Foi tão rápido que na parada perguntamos a um indivíduo do banco ao lado: “Olá, please… esta parada já é a Estação St. Pancras?” ao que o camarada respondeu com um gigante sorriso “Yeahhhhhhhh!!!” com a melodia do “ticket to ride” rsrsrs Aí sim, tivemos a confirmação: sim!!! Estávamos em Londres! : )
Na estação Saint Pancras já se iniciou o encantamento: um rapaz ao piano interpretava Elton John, em pleno hall da estação, reunindo turistas a sua volta que encantados faziam pedidos de músicas… que delícia de recepção tivemos!

Covent garden
Covent garden

Ai fomos comprar o nosso Oyster Card, que é um cartão de transportes que você compra por 5 Libras, e carrega com o valor que você quiser para pagar seu transporte ( trem, metrô ou ônibus dentro da Cidade de Londres). Vale dizer que tanto as 5 Libras que você paga pelo Oyster Card, quanto o valor que você porventura não chegou a gastar, são reembolsados na sua saída de Londres: basta procurar a estação do Metrô dentro do aeroporte e solicitar o reembolso que eles devolvem em cash na hora tanto as 5 libras pagas pelo cartão, quando o resíduo de crédito que tenha em seu cartão.

Então foi simples, tudo muito bem sinalizado, entramos em uma fila e solicitamos ao agente que forneceu ainda um mapa do metrô de Londres. Nos já tínhamos estudado,mas só para confirmar (amo confirmar informações, sou “A Desconfiada”!) perguntamos a ele qual linha pegar para chegar a estação próxima ao nosso hotel, ele explicou pausadamente, claramente e nos saimos dali radiantes, felizes de estar em Londres e sabendo como chegar ao Hotel! : )

As informações turísticas em Londres merecem um post a parte, mas antecipo: são extremamente preparados para lidar com turistas que saibam muito, pouco ou quase nada de inglês ( meu caso!)
Eles são claros nas explicações, “desenham” circulando à caneta os pontos nos mapas, são a adequada versão da “educação britânica” reconhecida universalmente!

Londres
Londres, Tower Hill

Bom, dentro do Metrô tudo correu bem, of course! Saímos pertinho do Hotel ( escolhemos sempre a rede Accor e ficamos em Londres no Ibis Budget em Whitechapel, uma feliz escolha dentro da nossa proposta, excelente custo benefício!), aí chegamos ja quase a noitinha no Hotel ( para nossa felicidade, em inicio de Maio escure entre 21h e 21:30 em Londres!) fizemos umas duas ou tres perguntas para saber a direção e seguimos em frente. No check in, novo mapinha , circulado a caneta indicando qual linha de Bus pegar, onde pegar para ir ao centro da Cidade e para voltar… tudo perfeitamente explicado nao tinha erro, sobrando apenas a pergunta: “existe algum bom Pub por aqui?” E para nossa felicidade era em frente ao Hotel, o Indo, simples,pequenino e autenticamente Inglês, com cerveja delicioso e perfeitamente tirada! Fomso dormir felizes já na noite da chegada!

No dia seguinte, fomos caminhando a pé para o Hotel… sim, vibramos a cada cabine vermelhinha de telefone encontrada pelo caminho, vibramos a cada passagem de ônibus de 2 andares vermelho, fotos e mais fotos.
Avaliamos nesta caminhada se valeria a pena alugar bike em Londres, e considerei que nao seria uma boa alternativa, ( apesar de ter voltado de Bike para casa um dia) E explico o por quê: as ciclovias em algumas ruas são compartilhadas com a via preferencial do ônibus, então voce anda de Bike na mesma via dos ônibus, à frente ou atrás deles, o que consideramos que exigia uma performance de velocidade e segurança de direções a tomar, que não teríamos nestes poucos dias de estada em Londres.

Big Ben
Big Ben

Seguimos a pé e cerca de 10 a 15 minutos caminhando apos o Hotel, ja avistamos o Tower Hill, ahhh! Que felicidade!
Ali Aguardamos o ônibus HopOn HopOff cujo ticket já havíamos comprado do Original Bus, que honestamente não recomendo: eles comecam a circular meio tarde, as 9h da matina ja estávamos esperando o Bus e víamos várias outras empresas já embarcando turistas e nada da Original Tour… até que lá pelas 9:30 apareceu o primeiro Bus na parada Tower Hill. Honestamente? Recomendo demais no primeiro dia um tour de HopOn-HopOff( e isso vale para qualquer Cidade ( justamente para nos situar na Cidade, termos ideia geral e tal… mas em Londres, não recomendo esta empresa.
Dica dada, sigamos em frente: Londres, diferente de Amsterdã, por exemplo, é uma cidade com trânsito intenso ( apesar de não engarrafar, como ocorre com grandes Cidades no Brasil, eu não posso dizer que o trânsito la seja tranquilo,. não…) Por que digo isso? Porque é bem capaz de você, assim como nós, levar um dia todo sem conseguir sequer completar uma rota inteira de HopOn-HopOff,mesmo descendo rapidamente nos pontos apenas para fotos…. é uma cidade grande, com pontos turísticos pulverizados, entao, se for fazer o ônibus HopOn-HopOff seja ágil OU compre 2 dias ( o que já não recomendo…)

Londres é belíssima!
Londres é belíssima!

Londres é linda de qualquer jeito,de dia ou de noite. Mas: se você for agraciado como nós de pegar dias de sol em Londres, então, coloque na lista de seus dias de sorte! Fica tudo lindo demais com ceu azul, com sol brilhando… desde o Tâmisa, cujas margens a noite é cenário belíssimo, quanto de dia, quando o Big Bem fica ainda mais dourado e as cúpulas em contraste com o sol se mostram ainda mais exuberantes!

No segundo dia, decidimos não mais tomar café da manha no Hotel e comprar frutas , pães e iogurte no supermercado e assim experimentar as delícias locais, que adoramos fazer em todas as viagens! Nem se trata de preço apenas, e sim de explorar a grande variedade de produtos de cada Cidade…
Decidimos também ir de ônibus no segundo andar e claro!) para o centro da Cidade. Fácil, encosta seu Oyter card no aparelho que fica perto da cabine do motorista, acende uma luzinha verde com um “bip” e voce entao pode se acomodar! Andar no segundo andar e o máximo…exceto se você for saltar perto porque precisa subir e descer rapidinho,dependendo da idade ou do peso, isso não e lá muto agradável… No Onibus, como em outas Cidades da Europa, há aviso sonoro além de visor eletrônico indicando cada parada e avisando da próxima. Não tomamos ônibus cheio ( como aqui o conhecemos) em nenhum dia! Pode encontrar nos ônibus londrinos pouco pacientes com as “peripécias” de turistas, já que para quem trabalha e vive o dia a dia da Cidade de fato deve ser chato dividir o transporte com gente que faz pergunta a toda hora e se enrola nas paradas…

Troca da Guarda
Troca da Guarda

Enfim: recomendo muito transporte de ônibus em Londres,muito mais que metrô: é mais uma chance de voce ver a Cidade, conhecer cada detalhe, passar pos paisagens únicas que com metrô jamais iria saber que existe.
Só ande de metrô em Londres quando for essencial economizar tempo ( muitas estações tem até mais que 2 lances de escadas com degraus convencionais… cansa, ne?)
Agora caso disponha de meia hora a mais, sugiro optar por ônibus de Londres!

Neste dia optamos por retornar ao Hotel de Bike, ainda nao estava escuro, olhamos o mapa e vimos que seria um trajeto relativamente fácil. Munidas de coragem ( como disse antes, deveríamos dividir a pista com ônibus) fomos a uma maquinazinha da locação de Bike, espalhadas por toda a Cidade, a azulzinha “Barckays”,que foi a locação mais simples, barata e honesta que fizemos de Bike até hoje! Pagamos 2 Libras ( cerca de R$ 4 reais) por 24h. Se paga com cartão sem depósito sem nada, apenas se dá “ok” a politica deles na maquina mesmo e a máquina já imprime um código com o qual você pega a bike ao lado.

Tranquilo e delicioso chegar ao Hotel de Bike apos um dia andando a pé e, o mais delicioso ainda, ter uma estação da Barckays pertinho do Hotel para que devolvêssemos a bike.

Hyde Park
Hyde Park

No terceiro dia como incluímos o Hyde Park ( não poderia jamais ficar fora, nem ele e nem o James Park: são belíssimos sobretudo considerando que existem bem dentro do coração de Londres!) e exigiria uma caminhada bem extensa optamos por bicicletas. lembra que disse que nossa locação foi de 24h? Então mais boas surpresas: na hora de passar o cartão para contratar de novo a Bike, o sistema reconheceu o cartão e nos avisou que Já tínhamos direito a x horas, uma vez que tínhamos feito um pagamento para 24h de Bike… Ou seja, pudemos usar no dia seguintes as horas remanescentes da locação de 24h feita no dia anterior… quase pulei de alegria!! (amo economizar!) Pedalamos o Hyde park e o James Park praticamente todos, com algumas paradas para foto, merecidas por sua linda paisagem, reunindo pessoas relaxando, em piqueniques ou simplesmente jogadas na grama e crianças e adultos encantadas com os esquilos que andam em todo o parque, convivendo harmonicamente com os frequentadores… uma graça!

Deixamos por ultimo uma demorada visita ao Trafalgar Square, uma linda e importante praça em Londres que abriga o National Gallery, um museu lindo e… de graça! Não parece mentira? SQN, é verdade mesmo, vários museus londrinos tem entrada gratuita, e como era sexta feita, o horário de funcionamento é estendido ate as 21h,então pudemos passar horas na Trafalgar Square e posteriormente visitar o museu, onde conheci telas que gostei imensamente como o Caneletto, que so fui conhecer na National Gallery e de cujas pinturas tanto gostei..

Notting Hill
Notting Hill

Outro ponto de destaque foi o Covent Garden, um ponto turístico muito visitado que trata-se de uma antiga e bela construção que atualmente reúne feira de produtos locais e vários restaurantes, com comidas de todo o mundo, alem claro do tradicional e londrino Fish and Chips e, claro, o que os Londrinos fazem de melhor: tortas e …cervejas! Um dos Pub em estilo “caverna” mais bacanas de Londres encontrei lá tambem! A cerveja não e a melhor, mas vale a visita.

Ótimos restaurantes (sobretudo um italiano, no segundo bloco) , um cheiro delicioso de boa comida no ar, além da apresentação dos melhores artistas de rua de Londres, tudo isso somado e reunido no Covent Garden, que vale certamente muito mais de 1 visita: recomendadíssimo!

O Borough Market também é muito bacana, mais “arrumadinho” que os demais e mais específico também ( vi culinária local e de todo o mundo, mas senti falta da musica e boa bagunça que tem no Covent Garden) mas nao se pode de jeito algum deixar de visitar, não quando se ama boa comida e cultura gastronômica da Cidade anfitriã!

Fotos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *